A.·. A.·.
Menu » Estudante » Libri » Liber 25
A+-
Estudante

O RUBI ESTRELA

SUB FIGURA XXV

Selo da A.·.A.·.

A.·.A.·.

Publicação em Classe D

Imprimatur: N. Fra. A. · . A. · .

 

1 - De frente para o Leste, fazendo o Sinal de Banimento, diga com vontade: APO PANTOS KAKODAIMONOS ( " Afasta-te Espírito do Mal" )

2 - Faça a Cruz Cabalística:

- toque a testa e diga: SOI - " A Ti"
- toque o sexo e diga: O FALLE - " O Falus"
- toque o ombro direito e diga: ISCUROS - " A Força"
- toque o ombro esquerdo e diga: EUCARISTOS - "Eucaristia; graça divina"
- junte as mãos no peito e diga: IAO - " O Deus dos Gnósticos; Isis ( As forças da Natureza) Apophis ( são destruídas) Osiris ( e renascem)"

3 - Continuando de frente para o Leste, coloque as mãos na face, envergando o corpo para trás, inspirando profundamente, imagine um Pentagrama dentro da cabeça, bem nítido e então, fazendo o Sinal do Entrante, lance-o para frente, rugindo THERION.

4 - De frente para o Norte, repetindo o gesto anterior, lance o Pentagrama para frente e diga NUIT.

* Caso o estudante não tenha percebido, está girando no sentido anti-horário.

5 - De frente para o Oeste, repita o processo anterior, e sussurre BABALON.

6 - De frente para o Sul, repita o processo anterior e diga firmemente HADIT

7 - Completando o círculo, faça o Sinal de Banimento com energia e diga IO PAN, pisando forte com o pé direito.

8 - Faça os sinais de NOX.

9 - Na posição de Cruz (os braços abertos e os pés juntos), o estudante repetirá:

- PRO MOU IUGGES - (a minha frente Iugges)
- OPISO MOU TELETARCAI - (atrás de mim Teletarcai)
- EPI DECIA SYNOSES - (a minha direita Sainoses)
- EPARISTERA DAIMONES - (a minha esquerda Daimones)
- FLEGEI GAR PERI MOU O ASTHR TON PENTE - pois ao meu redor flamejam os pentagramas
- KAI EN THI STHLHI O ASTHR TON EX ESTHKE - e na coluna do meio brilha a estrela de seis pontas.

10 - Repita a Cruz Cabalística, a parte 1 e o ritual estará encerrado.

 

**********

 

Notas de Keron-E:

1 - Diferenças entre as versões

Em 1913 To Mega Therion publicou a primeira versão do Rubi Estrela em Liber 333 que segue abaixo:

25

ΚΕΦΑΛΗ ΚΕ

O RUBI ESTRELA

Encarando o Leste, no centro, inspira fundo, fundo, fundo; fechando tua boca com teu dedo indicador direito pressionado contra teu lábio inferior. Então, lançando abaixo a mão com uma grande varredura para trás e para fora, expelindo violentamente teu ar, grita ΑΠΟ ΠΑΝΤΟΣ  ΚΑΚΟ∆ΑΙΜΟΝΟΣ.

Com o mesmo indicador, toca tua testa, e dize ΣΟΙ;
teu membro, e dize Ω ΦΑΛΛ;*
teu ombro direito, e dize  ΙΣΧΥΡΟΣ;
teu ombro esquerdo, e dize ΕΥΧΑΡΙΣΤΟΣ;
então fecha tuas mãos, entrelaçando os dedos, e grita ΙΑΩ.

Avança para o Leste. Imagina fortemente um Pentagrama, diretamente em tua testa. Levando as mãos aos olhos, lança-as adiante, fazendo o sinal de Hórus, e ruge ΧΑΟΣ. (Chaos)
Retira tuas mãos no sinal de Hoor-pa-kraat.
Volta-te para o Norte e repete; mas grita ΒΑΒΑΛΟΝ. (Babalon)
Volta-te para o Oeste e repete; mas dize ΕΡΟΣ. (Eros)
Volta-te para o Sul e repete; mas berra ΨΥΧΕ. (Psiquê)

Completando o círculo, recua para o centro e eleva tua voz em homenagem, com
as palavras  ΙΟ ΠΑΝ e com os sinais de N.O.X.
Estende os braços na forma de um Tau, e dize baixo, mas claro:
ΠΡΟ ΜΟΥ ΙΥΓΕΧ ΟΠΙΧΩ
ΜΟΥ ΤΕΛΕΤΑΡΧΑΙ ΕΠΙ ∆ΕΞΙΑ ΣΥΝΟΧΕΣ ΕΠΑΡΙΣΤΕΡΑ ∆ΑΙΜΟΝΕΣ ΦΛΕΓΕΙ ΓΑΡ
ΠΕΡΙ ΜΟΥ Ο ΑΣΤΗΡ ΤΩΝ ΠΕΝΤΕ ΚΑΙ ΕΝ ΤΗΙ ΣΤΗΛΗΙ Ο ΑΣΤΗΡ ΤΩΝ ΕΞ ΕΣΤΗΚΕ.

Repete a Cruz Cabalística, como acima, e termina como começaste.

COMENTÁRIO (KE)

25 é o quadrado de 5, e o Pentagrama tem a cor vermelha de Geburah.
O capítulo é uma nova versão, mais elaborada, do Ritual de Banimento do Pentagrama.
Seria impróprio comentar mais sobre um ritual oficial da A .‘. A .’. .

OBS.:
* O sentido secreto destas palavras é revelado na numeração de cada uma.

 

Sendo inspirado no Ritual Menor do Pentagrama, 666 manteve a estrutura básica: Cruz Cabalística, Traçado de Pentagramas e Invocação de Entidades.  Percebe-se mudança na segunda parte quando se pronuncia os nomes bárbaros:

  1. Chaos – aparece em Liber 418, sendo uma referência a Yud (fogo) bem como a uma entidade masculina arquetípica;

  2. Babalon – aparece em Liber 418 sendo uma referência a He (água) bem como a uma entidade feminina arquetípica;

  3. Eros – deus do amor que também aparece em Liber 418, mas a referência aqui parecer ser a do deus grego do amor, sendo uma entidade masculina jovem alada, podendo associar ao elemento;

  4. Psiquê – ‘alma’ em grego é uma entidade feminina. O feminino pode ser associado a terra como as hebraicas Shekinah e Malkah.
Nota-se uma referência aos elementos, como no Ritual Menor do Pentagrama, na ordem do ciclo IHVH – pai, mãe, filho e filha além da referência aos pontos cardeais .  As duas primeiras da cosmologia thelêmica, Eros à cosmologia thelêmica e grega e Psiquê à grega. Os dois últimos também formam um casal da mesma forma que os anteriores evidenciando os aspectos ativo/passivo, positivo/negativo etc.

Existe outra mudança significativa onde os nomes dos arcanjos, de origem hebraica, são mudados, para entidades de origem caldeia. Provavelmente To Mega Therion utilizou a versão editada pelo Dr. William Wynn Westcott do livro ‘Oráculos Caldeus de Zoroastro’, que são fragmentos que sobreviveram na tradução grega e tratam de assuntos relativos ao misticismo e a filosofia babilônica. Fala de um ‘Mundo da Inteligência’, supra terreno, com os princípios arquetípicos ‘Pai’, ‘Mente’ e ‘Fogo’ -  Westcott até utilizou esses conceitos no ritual de Practicus da Golden Dawn. As ideias provindas desse ‘pleroma’ assumem formas que podem ser percebidas pelo homem e se relacionarem com ele:

- Iugges – os ‘Iynges’ são associados com os atos de magia (ou teúrgicos). Possuem função dupla: auxiliam tanto a teurgia sendo uma força que une os homens aos deuses quanto funcionam como gerentes das forças que forma o universo (arquétipos). Deram nome a um certo tipo de pássaro o que fortalece a ideia de mensageiro dos deuses, pois as aves transitam tanto pela terra (lar dos homens) quanto pelo céu (lar dos deuses). Significa, literalmente, ‘roda’ ou ‘rodamoinho’;

- Synoceis – estão associados a ideia de fogo imbuídos de grande poder sendo chamados de ‘guardiões’. Possuem uma função de união;

- Teletarcai - os ‘Teletarchs’ são os ‘Mestres da Iniciação’, os regentes dos 3 mundos da cosmologia caldeia, além de estarem associados com as três virtudes Fé, Verdade e Amor;

Os três formam uma tríade ‘criação’, ‘preservação ‘ e ‘união’.

- Daimones –  ‘daimon’ entidades platônicas que intermediam o homem com os deuses, havendo um para vários aspectos na natureza: os elementos, as florestas, mar etc. Segundo o famoso pensador grego, todo homem possui dois gênios: ‘eudaimon’, um espírito bom e o ‘kakodaimon’, um espírito mal. Já Sócrates denominou ‘daimon’ ou ‘dæmon’  como o gênio pessoal. Dele vem a ideia de Sagrado Anjo Guardião, pois ao contrário de seus colegas filósofos, Sócrates não cobrava seus ensinamentos pois eram frutos do seu ‘dæmon’.

Posteriormente 666 concebeu mais um ritual thelemizado e alterou o Rubi Estrela em 1929:

-  Liber V vel Reguli - um ritual composto exclusivamente com elementos da cosmologia thelêmica: NUITH, HADITH, RA-HOOR-KHUIT, AIWAZ, THERION, BABALON, LASHTAL, THELEMA, AGAPE, AUMNG, ABRAHADABRA, LA, AL. sendo descrito por ele como “um encantamento apropriado para invocar as Energias do Æon de Hórus, adaptado para o uso cotidiano do Magista de qualquer grau”. 

- Liber XXV -  sofreu uma adequação na cosmologia onde as entidades arquetípicas na etapa de visualização do pentagrama mudaram de Chaos e Babalon para Therion e Nuit , Eros e Psiquê para Babalon e Hadit, nestes últimos percebe-se uma inversão de gênero nos pontos cardeais oeste e sul – aqui pode-se especular da seguinte maneira: oeste é o lugar de onde vem a luz, a sabedoria iniciática (no ritual de Neófito da Golden Dawn o Hegemon guiava o candidato do leste para o oeste, das trevas para a luz) e colocar Babalon neste ponto é coerente pois ela é a rainha da Cidade das Pirâmides sob a Noite de Pan, que significa as esferas acima do Abismo, a 'Fonte' e o sul, segundo Liber 418, é ‘o lugar apropriado do Sol e da sua força’ logo, nada mais coerente do que colocar Hadit, cuja simbologia é solar.

Por fim, existe uma indicação enigmática referente à gematria dos nomes bárbaros na primeira versão do ritual (mas não na segunda):

1 - ΣΟΙ (SOI) – 200+70+10 = 280;
2 - Ω ΦΑΛΛΕ (O FALLE)– 800+500+1+30+30+5 = 1366;
3 - ΙΣΧΥΡΟΣ (ISCURUS)– 10+200+60+400+100+70+200 = 1580;
4 – ΕΥΧΑΡΙΣΤΟΣ (EUCARISTOS) – 5+400+60+1+100+10+200+300+70+200 = 1886;
5 - ΙΑΩ (IAO) – 10+1+800 = 811.

Para compreensão do significado, deve-se realizar um trabalho decifrador da composição matemática. 666 deixou em aberto não fornecendo nenhuma indicação, o que implica em uma atividade pessoal dos interessados; o material disponível por ele não apresenta base suficiente para conclusões definitivas, restando caçar conexões em frases e palavras que tendem a nublar ainda mais a questão. Convém alertar para o fato de que análises muito profundas em derivações gemátricas pode levar mais a confusão do que esclarecimento. É preciso saber parar e observar o contexto geral. Seguem abaixo algumas sugestões de conclusão com base no sentido geral do ritual:

1 –‘A Ti’ -  280. A soma das 5 letras hebraicas da severidade (kaph, mem, nun, pe, tzaddi) e também ‘Terror’. Redução teosófica: 10, o atu Roda da Fortuna - movimento, dinâmica e Júpiter. Aqui os sentidos de ‘severidade’ e ‘terror’ parecem encaixar-se melhor, devido tanto a origem marcial do ritual (25 é o quadrado de 5, Geburá) quanto ao terceiro capítulo de Liber AL que indica guerra  e a Estela da Revelação que também atende pelo nome de ‘Abominação da Desolação’;

2 – ‘ O Falo’ -  1366. Redução teosófica (1+3+6+6): 16, o atu A Torre – fálico (espada, ação, emissão), Marte (guerra). Aqui o sentido beligerante se encaixa melhor;

3 – ‘A Força’ - 1580. Redução teosófica: 14, atu A Arte – na carta é feito o elixir para consumo em operações mágicas, sendo a hóstia um dos seus símbolos, víde o grau IX da O.T.O.;

4 – ‘Eucaristia’ – 1886. Redução teosófica: 14, o atu A Arte – na carta é feito o elixir para consumo em operações mágicas, sendo a hóstia um dos seus símbolos, víde o grau IX da O.T.O.;

5 – ‘IAO’ – 811, ‘Eu respiro’, ‘eu vivo’. Os caldeus chamavam o deus Dionísio de Iao. Redução teosófica: 10, o atu Roda da Fortuna - movimento, dinâmica, sendo a fórmula de IAO um ciclo da vida e da morte bem como a relação cíclica de Iugges, Synoceis e Teletarcai. Pode-se relacionar também com a fórmula de IAO.

Conclusão

De forma geral percebe-se no Rubi Estrela uma quebra com a origem hebraica pela inserção dos elementos thelêmicos e caldeus. O povo caldeu, oriundo da península arábica, habitou a região sul da Mesopotâmia. Na história dos judeus, os caldeus através de Nabucodonosor, destruíram o templo de Jerusalém e os levaram ao cativeiro na Babilônia. Também se referiam a eles como a Babilônia de modo geral, principalmente pelo povo hebraico. A associação ao zoroastrismo ajuda a implicar um elo com ideias quase tão antigas quanto o povo judeu, além de que muitos conceitos babilônicos estão presentes no judaísmo e cristianismo – facilita também a escolha o acesso ao material caldeu de Westcott.

Em relação a ambas as versões de Liber XXV, a mudança realizada na última visou adequar o ritual a melhor compreensão da Obra de 666 com o passar dos 16 anos. 666 não forneceu muitas informações sobre ambos os rituais do pentagrama, talvez pelos anteriores já serem bem conhecidos e os novos não fugirem dos mesmos objetivos de modo geral diferenciando essencialmente por invocar energias do Æon de Hórus.  A presença dos sinais de N.O.X. implica invocação de forças purificadoras, pois em Liber 418,  20º Æthyr, 666 recebeu a palavra no sentido numérico, 210, ‘para destruir todos os símbolos positivos, pois a verdadeira Roda é o círculo, a própria Nuit’; tais forças advém das esferas acima do Abismo.

O Rubi Estrela é um ritual de banimento de caráter masculino em base marcial. Começa com invocação de uma força fálica partindo para as energias do Novo Æon, purificando via a tríade superior da Árvore da Vida e concluindo com antiquísimas energias do Velho Æon, não sendo um ‘puro sangue’ thelêmico, título que fica com Liber V vel Reguli - e comentou-se e mais sobre um ritual oficial da A.'.A.'., o que não seria algo ideal.

 

2 - No 777, a pedra Rubi Estrela, representa a energia masculina da Estrela Criadora.

3 - Este ritual baseia-se no Ritual Menor do Pentagrama não sendo um substituto pois trata-se de um banimento segundo o comentário no Liber 333.

topo